MS: Defensoria capacita mais de 100 agentes de saúde para identificarem vítimas de violência de gênero nas residências

MS: Defensoria capacita mais de 100 agentes de saúde para identificarem vítimas de violência de gênero nas residências

A Defensoria Pública de Mato Grosso do Sul, por meio do Núcleo Institucional de Promoção e Defesa dos Direitos da Mulher (Nudem), realiza a segunda capacitação de agentes de saúde para que identifiquem vítimas de violência de gênero nas residências.

O curso aconteceu em Naviraí, na manhã desta sexta-feira (01), no Auditório da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS) e teve a presença do defensor público-geral, Fábio Rogério Rombi da Silva.

“Por meio do Nudem, a Defensoria Pública de MS atende em todo o Estado mulheres vítimas de violência de gênero garantindo o acesso à Justiça. Reforçamos que a violência contra a mulher é reconhecida pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como problema de saúde pública e se enquadra em uma problemática social que necessita, com urgência, da atenção das várias políticas públicas para redução dos danos, dentre eles os feminicídios”, destacou o defensor-geral, durante a abertura da capacitação.

Conforme a coordenadora do Nudem, defensora pública Thais Dominato Silva Teixeira, o curso é realizado em parceria com a Secretaria Municipal da Saúde, que convocou aproximadamente 100 agentes comunitários, de endemias e ainda aqueles que trabalham nos programas sociais promovidos pelo município.

A capacitação durou cerca de 8h, com palestras da defensora pública, psicóloga e assistente social sobre o ciclo da violência, as desigualdades no convívio cotidiano e na educação, mecanismos da Lei Maria da Penha e como identificar outras formas de violência de gênero.

A coordenadora da 9ª Regional de Naviraí, defensora pública Solange Nobre Torres Jorge, ressaltou a importância da iniciativa para o município e para a atuação da Defensoria Pública de MS.

“Viabilizamos esse curso para nossa comarca porque entendemos que, a partir do momento em que o agente identifica uma vítima de violência, ele estará preparado para orientá-la sobre a Rede de Apoio, além dos amparos legais. É conhecimento para o agente e para as famílias que serão visitadas no seu dia a dia”, comentou a coordenadora.

Sobre a segunda turma, a defensora ainda destacou o bom aproveitamento dos agentes em relação ao conhecimento transmitido.

“É muito interessante ver como os agentes de saúde chegam receosos, com alguns preconceitos e objeções, mas ao entenderem o que realmente é o ciclo de violência, saem do curso sensibilizados e afirmando que isso impactou em diversos locais de atendimento que eles prestam esse serviço”, disse a defensora pública.

Fonte: ASCOM/DPE-MS
Estado: MS